quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

JANELAS

Abro as janelas da minha casa
Contemplo o dia lá fora
Vejo crianças correndo
Casais de mãos dadas
trabalhadores seguindo seu caminho
Donas de casa com suas compras

Todos os dias abro minhas janelas
e nada muda, nada se modifica
Apenas o tempo
Um dia sol, outro, chuva, outro nublado
Um dia fresco, outro quente, outro frio

Contemplo a vida que finge se modificar
Mas nada muda...
Nada nunca mudará
Em casa coração uma utopia
Em cada vida uma história

Como sempre...
Como nunca...
Como amanhã...

Maria Antonieta Lima

 
 
 

Nenhum comentário: