sexta-feira, 26 de junho de 2009

Não Mais... (soneto)


Não Mais... (soneto)

Não me abaterei num só momento
Porque tu não sabes amar
Soltando palavras cruéis ao vento
Sabes muito bem machucar

Não perderei tempo com teu sentimento
Se a verdade és incapaz de aceitar
E teu coração não consegue abrigar
Fique na solidão com o teu pensamento

Não vou entristecer porque me traíste
Destilou seu veneno como pode
A mim, toda tua desgraça atribuíste

A tua vaga bondade nunca acode
A tua beleza é algo que não existe

Siga tua vida e não me incomode

maria antonieta lima®

terça-feira, 23 de junho de 2009

um encontro

Quando o vi pela primeira vez eu senti que já o conhecia, de algum lugar, de alguma época distante. Não sei como explicar, mas cada vez que descobria algo sobre ele era como se eu já soubesse. Quando me contava suas manias, atitudes, modo de pensar ou algumas formas de comportamento eu me sentia exatamente igual. Algumas manias, gostos exatamente parecidos com os meus. Tive a certeza de que ele fazia parte de mim, que de alguma forma eu estava ligada a ele e sabia que minha vida não seria a mesma depois daquele encontro. Não se trata de um devaneio amoroso, é quase uma sensação de dejavù. Relacionamentos amorosos são parte de nossa evolução. No dia daquele encontro eu senti algo mais forte, algo tão intenso, diferente de qualquer outro. Eu tinha a certeza que o conhecia. Eu sabia... Não ficamos juntos, mas nunca deixei de amar aquela pessoa. A minha essência aprendeu a simplesmente amar aquela outra alma. Dessa forma os defeitos dele deixaram de ter importância, é como se fizesse parte de mim.

domingo, 14 de junho de 2009

Letícia - Poema




LETÍCIA

É a doce e perfumada rosa
Que desabrocha soberana
Bem à minha frente
Protegida em meu seio
Dia após dia...

É a menina-mulher, princesa
Minha eterna flor de amor
Da fantasia ao perfume
Ter você junto à mim
É a melhor parte do meu dia

E tudo se transforma ao seu redor
Criando cada vez mais vida e luz
Pois é você própria quem ilumina
É o melhor do meu dia
Ter você junto à mim!

Vejo em você o amor que cresce
O orgulho que em mim se ergue
E é você quem aparece
Linda, alegre e solta
Para tornar bem melhor a minha vida!

Maria Antonieta Lima

Reflexão - A POTÊNCIA DO AMOR

“FRAGMENTO DA ULTIMA CARTA DE EINSTEIN À SUA FILHA LIESERL !
O AMOR…
Quando propus a teoria da relatividade, muito poucos me entenderam, e o que lhe revelarei agora para que o transmita à humanidade, também se chocará contra a incompreensão e os preconceitos do mundo.
Peço-lhe mesmo assim, que o guarde o tempo todo que seja necessário, anos, décadas, até que a sociedade haja avançado o suficiente para acolher o que lhe explico a seguir.
Existe uma força extremamente poderosa para a qual a ciência não encontrou ainda uma explicação formal.
É uma força que inclui e governa todas as outras, e que está inclusa dentro de qualquer fenômeno que atua no universo e que ainda não foi identificada por nós.
Esta força universal é o Amor.
Quando os cientistas buscam uma teoria unificada do universo, esquecem da mais invisível e poderosa das forças.
O amor é luz, já que ilumina quem o dá e o recebe.
O amor é gravidade porque faz com que umas pessoas sejam atraídas por outras.
O amor é potencia, porque multiplica o melhor que temos e permite que a humanidade não se extinga no seu egoísmo cego.
O amor revela e desvela. Por amor se vive e se morre.
Esta força explica tudo e dá sentido em maiúscula à vida.
Esta é a variável que temos evitado durante tempo demais, talvez porque o amor nos dá medo, já que é a única energia do universo que o ser humano não aprendeu a manobrar segundo seu bel prazer.
Para dar visibilidade ao amor, fiz uma simples substituição na minha mais célebre equação. Si no lugar de E=mc² aceitamos que a energia necessária para sanar o mundo pode ser obtida através do amor multiplicado pela velocidade da luz ao quadrado, chegaremos à conclusão de que o amor é a força mais poderosa que existe, porque não tem limite.
Após o fracasso da humanidade no uso e controle das outras forças do universo que se voltaram contra nós, é urgente que nos alimentemos de outro tipo de energia.
Se quisermos que nossa espécie sobreviva, se nos propusermos encontrar um sentido à vida, se desejarmos salvar o mundo e que cada ser sinta que nele habita, o amor é a única e última resposta.
Talvez ainda não estejamos preparados para fabricar uma bomba de amor, um artefato bastante potente para destruir todo o ódio, o egoísmo e a avareza que assolam o planeta.
Porém, cada individuo leva no seu Interior , um pequeno mas poderoso gerador de amor cuja energia espera ser liberada.
Quando aprendermos a dar e receber esta energia universal, querida Lieserl, comprovaremos que o amor tudo vence, tudo transcende e tudo pode, porque o amor é a quintessência da vida.
Lamento profundamente não ter sabido expressar o que abriga meu coração, que há batido silenciosamente por você toda minha vida.
Talvez seja tarde demais para pedir-lhe perdão, mas como o tempo é relativo, preciso dizer-lhe que a amo e que graças a você, cheguei à ultima resposta.
Seu pai,
Albert Einstein “