terça-feira, 21 de abril de 2009

TEMPO

Em certo tempo
Eu pensei não suportar a tua falta
Senti-me sem ar, sem chão, sem razão
Queria tudo e ao mesmo tempo nada
Angústia, ausência, mortalha na alma
Ferida aberta e sangrando
Tudo era negro, sem brilho, sem luz
Nada me trazia alegria
Não havia ninguém para me levar
Ninguém me levaria para casa
Nem poderia entender minha dor
Cansada, vencida e sem espaço
Dei um tempo a mim mesma
Para chorar todas as lágrimas
Para sentir por inteiro toda a dor
Senti-me fraca e sem chances
Nada mesmo fazia sentido sem você
Mas o tempo passou
E com ele a dor foi seguindo
Diminuindo, decrescendo, desaparecendo
Restou um vazio que preencho
De mim mesma a cada dia
Mas nunca serei a mesma de antes
Aprendi com o tempo
Que não podemos ter tudo que amamos
Que uma hora a dor cede de tanto doer
Que acabamos achando uma forma
De respirar profundamente
Livremente, calmamente
E o tempo passou, eu nem percebi
Quando dei por mim, eu era outra
Ou eu mesma de forma diferente
Ainda não sei muito bem
Sei apenas que o tempo passou
E com ele a dor, o amor, teu calor
Maldito ou bendito seja esse tempo
Depende de como eu esteja sentindo
Se eu estiver sentindo
Que o tempo levou tudo com ele
Mas, não pode apagar a lembrança
Do que significou ter você na minha vida



Maria Lima

Nenhum comentário: