quarta-feira, 22 de abril de 2009

Embriagues

No final todo amor virou ódio,
Chama apagada, loucura e dor.
Porém, sigo teus passos de longe,
Desconforto, insensatez.
Meus pés feridos e cansados
Caminham atrás de sombras
Tuas sombras, teus rastros.
Desespero é não te encontrar...
Entre um gole e outro, embriagues.
Então eu beijo bocas
Que não tem o gosto da tua boca.
Sinto os corpos
Que não emanam o calor do teu corpo.
Busco por olhos
Que não trazem a intensidade do teu olhar.
Ouço as vozes
Que não possuem a doçura da tua voz.
Entre os goles, eu minto:
Pouco me importa, te busco!
Todavia, não te encontro,
Vejo o vazio dentro de mim.
Respiro você, sinto você;
Está dentro de mim agora,
E nada mais importa.
Sou uma cena fútil,
Sou um nada sem você.
Outro gole, a cabeça gira.
Buscando-te encontrei meu abandono.
Viro um circo patético,
A sensatez não existe mais,
Perdi a razão sentindo a emoção.
É o amor que virou ódio
Transformou a música em silêncio.
O ódio corrói o que resta,
Confundindo os sentimentos.
Que alguém me traga você,
Pois eu preciso viver...


Maria Lima

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom tia, adorei as poesias.

Anônimo disse...

Gostei mas do poema "Brisa".
É melhor se acostumar com elogios, pois, você será muito conhecida.
Continue assim!