quarta-feira, 22 de abril de 2009

Despedida


O amor que eu almejo
Nunca foi substancial em minha vida.
Deveria ter amado você com a magia do silêncio,
E nunca ter me rendido à insanidade da paixão.
Não queria você para me tirar do inferno.
Queria você me ajudando a passar por ele,
Caminhando do meu lado,
Livrando-me das chamas mortais,
Com o calor que emana do seu corpo.
Eu sou o que sinto, e como sinto.
Negar o que sinto, é negar a mim mesma.
Isso eu não posso fazer, mas fiz...
Você reúne todas as qualidades
Que eu sempre busquei em um homem.
Quando conheci seus defeitos
Percebi que o aceitava mesmo assim.
Agora que o fogo da paixão se extinguiu
Eu posso dizer que foi amor,
E que ainda sinto.
Sinto a sua falta,
A falta dos seus carinhos,
A audácia da sua essência em mim.
Ainda te amo.
Quero que vocês seja feliz,
Porém, não ao meu lado.
Não que eu não seja capaz,
Mas porque eu não suportaria
Te perder novamente.
Desejo a você um amor especial.
Alguém que te ame incondicionalmente,
Como eu te amei um dia.
Que te ofereça tudo aquilo que eu possuo
E não pude te ofertar.
Que este amor seja verdadeiramente especial...
Nada tenho a acrescentar
Que não seja repetitivo a você.
Só peço que perdoe a minha fraqueza.
Deixe-me sentir seu perdão,
Como senti seu corpo naquele dia.
Liberte-me com a força da sua alma.
Permita que o tempo apague as sombras.
Poderei sentir você, onde eu estiver.
Respeito as suas escolhas,
Mas tenho meu ponto de vista.
Siga em paz!
Voe cada vez mais alto!
Lute por cada um dos seus ideais.
Não perca seus sonhos como perdi os meus.
Guarde uma certeza para sempre:
Eu posso beijar mil bocas
E habitar em infinitos corações.
Mas o amor que eu trago na alma,
Está eternamente perdido em você.

Nenhum comentário: